A Depressão de 2020, 2021 e 2022 e o Agronegócio Brasileiro

A Depressão de 2020, 2021 e 2022 e o Agronegócio Brasileiro

As pandemias e as mudanças climáticas, são causados pelo abuso dos recursos naturais, maus padrões sanitários e de saúde. Como resultado, ambas são e continuarão sendo recorrentes, com maior freqüência e cada vez mais onerosas.

Veja o custo da Covid-19. Além de causar uma profunda recessão, provocou um colapso dos preços de commodities, como petróleo e metais industriais, cuja demanda diminuiu. Além disso, para evitar riscos, as economias avançadas tendem a levar a produção para mercados domésticos a fim de se proteger de eventuais riscos de abastecimento.

Neste cenário o agronegócio brasileiro não está imune. Veja o exemplo da Holanda e o intensivo uso de tecnologia, tais como manipulação genética e inteligência artificial. Com um território 230 vezes menor que os Estados Unidos e mão de obra cara, no ranking global de exportação de produtos agropecuários, é um gigante.

Porém essa tendência de adoção tecnológica acelerará o ritmo da automação e não o aumento dos empregos, aumentará o distanciamento dos países no comércio, tecnologia, investimento, dados e acordos monetários, pressionando os salários para baixo e elevando o desemprego.

Com milhões de pessoas perdendo seus empregos ou tendo sua renda diminuída, as diferenças de “renda” e “riqueza” da economia se ampliarão. A perda de renda para muitas famílias e empresas tendem a gerar uma inadimplência em massa entre outros reflexos.

À medida que os bancos centrais tentam combater os efeitos das crises, os governos elevarão os déficits fiscais para evitar depressão e deflação. No entanto, os choques permanentes e o protecionismo renovado tornarão a estagflação quase que inevitável.

O novo normal será marcado por restrições mais rígidas ao movimento de bens, serviços, capital, trabalho, tecnologia, dados, informações, perda de renda, estagnação econômica e inflação.

E o agronegócio brasileiro?

Diante deste cenário, só é possível afirmar que o setor de tecnologia privada se tornará cada vez mais importante e integrado as cadeias produtivas e de segurança alimentar.

Que a adoção da gestão dos riscos pelo agronegócio brasileiro será um fator determinante para a obtenção dos investimentos necessários em tecnologia e na obtenção dos resultados esperados pelos investidores.

A próxima revolução verde pode não ocorrer no Brasil sem os investimentos necessários. Pode ocorrer em nossos consumidores.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email