Gestão dos Riscos de Mercado no Agronegócio

Gestão de Risco Agronegócio

O processo de gestão dos riscos de mercado, não busca acertar sempre. Tem como objetivo errar menos, com menos freqüência, com conseqüências cada vez menos prejudiciais. Isso é mais óbvio em uma empresa financeira que toma decisões de compra e venda em mercados líquidos de instrumentos amplamente negociados. É menos óbvio, mas muitas vezes mais significativo, no agronegócio.

O impacto da volatilidade dos preços (café, soja, milho, açúcar, etanol, algodão, etc.), das taxas (juros, câmbio, etc.) e dos índices (IGPM, consecana, etc.) é um risco percebido como de considerável importância no agronegócio. Ignorá-lo, que significa, não ser capaz de quantificá-lo corretamente, é um erro grave. 

Embora a maioria das organizações do agronegócio avalia as compensações de risco e retorno qualitativamente ao tomar decisões estratégicas, poucas quantificam adequadamente sua exposição ao risco de mercado, com base em modelos quantitativos. Como resultado, essas organizações geralmente ficam muito atrás dos agentes financeiros que tratam o fortalecimento das capacidades de risco como uma prioridade estratégica central.

Os riscos de mercado devem ser analisados através da sua exata quantificação. As ferramentas e técnicas para tornar isso possível estão bem estabelecidas. O que está faltando na maioria das organizações do agronegócio é capacidade de aplicação.

Compartilhar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email